Olá e vamos lá!

Seria algo parecido com uma porta escancarada de um daqueles bares, sujos, cujo a atmosfera fétida assustaria a um gambá.
Poderia também ser comparado à formação de uma onda em um calmo mar. Você pode entender o porquê? Acompanhe o raciocínio: em um mar agitado todos os sons são indistintos e dissonantes, não existe uma harmonia capaz de gerar uma melodia e, se assim acontecer, não consegue persistir ao ponto de crescer em uma sinfonia, porém, em um mar calmo existe um ritmo que em um movimento síncrono vai crescendo sem que você perceba. Só consegue notar o quanto está envolto pelas águas no momento no qual percebe o crescente murmúrio, uma força descomunal crescente em som e em massa . O ribombar das ideias como a crista de uma onda no ápice de sua formação corta, devasta, castra, tritura aos poucos sem que algo possa resistir ao seu ir e vir.
Pretensioso? Talvez! Mas em nada me desvio da verdade nessa descrição. Os meus olhos são como janelas para a minh'alma, onde a simples observação poderia polpar a dissertação.
Carisma? Quase não possuo, mas tenho algo, como uma chama imperessível que arde, consome meu corpo e minha mente, hora mais banda, hora mais latente e voraz que o mais amaldiçoado dos renegados fugiria de suas labaredas com o seu tridente entre as pernas, jurando nunca mais rebelar-se.
Essa chama é um presente único, eterno desde a sua origem. Me foi dado e confiado. Revestido por uma cerca, tão bela, mas que completa essa obra.
Bem vindo ao meu mundo, onde mais um capitulo da minha vida te foi revelado. Gostando ou não, esse sou eu.
Postar um comentário